As melhores surpresas são sempre as que são menos esperadas, e quando a norueguesa Aurora apareceu na mídia com o seu arrebatador single ‘Awakening’ há apenas alguns anos, ela provou ser a maior e melhor surpresa de todas.
Ouvintes foram conquistados desde o primeiro instante, enquanto a musicista nascida em Bergen lançava ‘Awakening’ para uma audiência que não suspeitava de nada, mas que foi rapidamente cativada. Reunindo ímpeto e aclamações, Aurora foi ainda mais longe para servir de inspiração com músicas como a épica ‘Running With The Wolves’ e a terna ‘Runaway’ que prende-se a cabeça, tudo enquanto encantava audiências com suas fortes e comoventes apresentações ao vivo.Aurora acabou de lançar sua nova música, e também mais um gostinho do que seu muito antecipado CD guarda em forma de uma mordaz e sombria música chamada ‘Murder Song (5, 4, 3, 2, 1)’. Então, para saber mais sobre sua música, sua capacidade artística e sobre ela própria, nós estamos muito felizes por Aurora se reunir conosco como a curadora da última Nordic Playlist! Conecte-se para uma seleção a dedo de seus artistas noruegueses favoritos do Norte clicando em ‘play’ logo acima, e continue lendo para ir mais a fundo no mundo mágico de Aurora (conferira a playlist no site oficial da entrevista)
 
Obrigada por se juntar a nós da Nordic Playlist, Aurora! Você pode nos contar sobre a sua vida recentemente?
Eu tenho viajado muito, e eu estive no estúdio tentando terminar o meu CD – e agora ele está finalizado… Quase! Quase… Eu estou muito ocupada comparado com o que eu estava costumada a estar… Mas tudo bem, eu estou tendo ótimos momentos! E a minha banda – eles são as melhores pessoas que eu já conheci. 
 
Como você está viajando tanto por aí, você tem maneiras de se manter feliz enquanto está na estrada?
Eu sempre fui muito boa em fazer todas essas pequenas coisas que me fazem feliz, às vezes eu levo pequenas velas – algo que eu não acho que eu possa fazer, mas eu faço – para os quartos dos hotéis para que eu possa acender algumas antes de eu dormir…E eu levo meus livros, para que eu possa ler, e eu levo meus livros em branco e eu tento escrever algumas músicas, mesmo que eu não tenha o meu piano comigo, claro. Mas eu pelo menos tento escrever algumas letras, o que me deixa muito feliz – isso o deixa muito orgulhoso quando você termina. 
 
Você acabou de mencionar que terminou de gravar seu CD, então você poder nos contar como foi estar no estúdio e sobre todo o processo de colocar tudo em seu devido lugar?
Eu realmente amo estar no estúdio, é a minha coisa favorita no mundo. Tem sido muito divertido – eu estive em Bergen, cidade onde nasci, foi lá que gravei quase tudo com o meu baixista, O Martir, e meu baterista, Magnus. Nós fizemos isso juntos, nós três, e foi realmente divertido. 
 
Você está animada para lançá-lo, ou um pouco nervosa?
Sim… Sim, isso também. Eu estou muito nervosa, na verdade, mas eu também estou tão animada, então tudo bem, porque eu mal posso esperar para lançar mais músicas que mostrem um pouquinho mais de quem eu sou musicalmente para as pessoas, é difícil mostrar isso através de singles – eu acho isso muito complicado. Então será legal lançar esse CD. 
 
Há algum artista norueguês em particular que você realmente admira ou que a influenciaram a se tornar uma música?
É estranho quando eu olho para o passado, eu penso principalmente em Bob Dylan e Cohen como meus heróis e influências, mas, claro, há outras além deles – eu sempre amei Ane Brun. Eu acho que ela é amável, e seu CD ‘A Temporary Dive’ foi uma grande parte da minha vida, eu precisei muito daquele CD e foi um bom conforto durante o meu “mergulho temporário”, se é que se pode chamar disso.E eu amo completamente esse tipo de banda de rock/viking de Bergen chamada Wardruna e eles são incríveis, é realmente sombrio e um pouco pesado e eles cantam letras antigas em um norueguês antigo, é muito legal… isso me faz lembrar dos Vikings, e eu acho, você sabe, nós somos Vikings, quase…!
 
Onde você os descobriu? 
Eu acho que fui em uma loja de CDs e vi essa arte de capa maravilhosa, e eu pensei ‘Eu gosto disso’ – e eu comprei e então eu o ouvi e era muito legal. Eles usam sons da natureza, como de galhos, de vento, da chuva, e eu gosto bastante disso – eu amo a natureza, e eu gosto bastante de músicas pesadas. 
 
Você pode nos falar sobre algumas das outras faixas que você escolheu para a sua Playlist Nórdica?
Eu escolhi ‘The Love You Have In You’ de Asbjørn – eu realmente amo essa música e eu encontrei com ele algumas vezes e ele é uma pessoa incrível, então é difícil não amá-lo! É uma música linda – ‘The Love You Have In You’ – e o vídeo, o qual todos deveria ver – é tão deslumbrante, tão humano, é muito bonito. Eu também amo, como já disse, Ane Brun, e eu escolhi uma música chamada ‘All We Want Is Love’ do mais novo CD dela. É muito, muito linda. É estranho, porque eu não gosto de muitas músicas românticas mas eu acho que ambas das músicas que mencionei são sobre amor. Então uma música que é um pouco diferente das outras duas – eu amo uma banda chamada Seigman da Noruega, e eles têm uma música chamada ‘Monumente’ que é um pouco dura e hipnotizante. Eu os vi ao vivo uma vez e foi incrível. 
 
Falando sobre shows ao vivo, o que você tenta levar para as suas performances ao vivo? 
Antes, meu único objetivo era não fazer xixi nas minhas calças – porque eu ficava tão nervosa de ter que subir no palco! Mas eu acho que recentemente, eu me apresentei muitas vezes, o que é legal, porque eu estou me acostumando a isso e eu comecei realmente a curtir. E também é a única maneira a qual eu consigo encontrar com os meus fãs pessoalmente, o que é muito legal – é uma maneira de se conectar com as pessoas.Mas agora, meu único objetivo é fazer as pessoas sentirem algo. Especialmente para mim, música é muito sobre ajudar-nos a sentir tudo o que precisamos sentir – todos esses sentimentos que nós tentamos afastar ou que nós esquecemos que estão lá, nós somos relembrados sobre eles quando ouvimos música… é uma coisa legal ser lembrado sobre esses sentimentos, e isso é o que quero com a minha música e com os meus shows ao vivo, que nós possamos sentir todas essas emoções. Assim como rir, e também dançar – sentir tudo – chorar e rir e dançar, essa seria a combinação perfeita, se isso fosse possível.
E, finalmente, o que você tem preparado para o futuro?
Eu viajarei um pouco mais, mas dia 11 de Dezembro eu paro e tenho um “feriado” até dia 1 de Janeiro, então eu vou me apresentar na Inglaterra em uma Igreja muito bonita. E, então, há algumas coisas a serem feitas – mesmo que o CD esteja pronto, há muitas coisas que ainda não estão prontas, então quando tudo estiver pronto e todos estiverem felizes, nós poderemos lançá-lo – eu acho que será em março do próximo ano. É só isso por agora. É um longo tempo, eu sinto, eu realmente quero lançá-lo agora, mas há algumas coisas que precisam ficar prontas antes.
 
Veja o vídeo da entrevista (Sem legenda):

 

TRADUÇÂO: Mariana Dias (Equipe PABR)