Sua fonte OFICIAL sobre a cantora AURORA no Brasil.
AURORA terá seu nome na Calçada da Fama de Bergen Postado por: Carlos Alexandre Souza Eduardo às 19:24

A Aurora será homenageada com uma estrela na Calçada da Fama (da Noruega) como a pessoa mais jovem até agora. Confira:


Novos nomes serão adicionados à Calçada da Fama de Bergen. Os leitores do BA irão decidir quem será o décimo nome.

“É uma maneira absolutamente linda de ser honrada”, diz Aurora Aksnes.

Ela é uma de dez Bergers que será imortalizada em Nøstegaten no dia 8 de setembro. Vários novos nomes serão cimentados na própria Calçada da Fama de Bergen. Nove deles são determinados com antecedência e um depende dos leitores da BA para decidir.
As sugestões para nomes devem ser enviadas para kai@ba.no.

Pessoas famosas de Bergen

“É muito bom pensar que estarei lá muito tempo depois de eu estar morta”, diz Aurora.

Ela é a mais jovem dos nove nomes famosos que conseguem seu lugar em Nøstegaten. Essa idade não impede que alguém seja honrado, parece justificado no caso dela, e sobre essa medida, em geral, ela é positiva.

“É bom pensar que um estará lá por muito tempo. Tornando-se parte de Bergen dessa maneira. Parte da terra”.

Os nove nomes são Anne Randine Øverby, Jan Eggum, Davy Wathne, Arne Mæland, Aurora Aksnes, Tor Endresen, Brothers Thue, Leo Ajkic e Thorstein Selvik.

Tradução (Norueguês > Inglês): AskWarrior from Warriors & Weirdos Forum

Tradução (Inglês > Português): Brenda Dassa – Equipe PABR

 

“Eu odiava a minha voz” – Revela AURORA Postado por: Carlos Alexandre Souza Eduardo às 22:39

Na última semana, AURORA se apresentou no Grape Festival, na Eslováquia, onde foi surpreendida com o carinho e animação do público. Na passagem pelo país, AURORA concedeu uma entrevista ao jornal impresso SME.

Confira agora a entrevista traduzida em português:


pic by: toudy from Warriors & Weirdos forum

Como a menina da pequena cidade norueguesa entra em palcos nas maiores cidades do mundo?

“É estranho, não é? Quando eu era criança, nunca quis ser uma artista. Eu gostava de escrever letras e pensei que todos faziam isso. Era parte da vida, sempre que você está triste ou feliz, você apenas escreve sobre isso. Eu não queria viver disso, mas eu gosto disso hoje. Eu acho que tenho uma voz para isso e as pessoas estão dispostas a ouvir. Estou aprendendo muito enquanto estou fazendo isso. É bonito estar conectado com pessoas dessa maneira.”

Você estava escrevendo músicas em inglês desde o início?

“Sim, eu li muitos livros em inglês e a maioria dos artistas que eu escutei eram da Inglaterra. O inglês tornou-se o idioma da minha poesia. É uma linguagem muito suave e manejável cheia de belas palavras. Até mesmo agora, que comecei a aprender novos idiomas, estou descobrindo que alguns deles têm palavras ainda mais inspiradoras. Também é bom manter distância porque, então, posso sentir-me como outra pessoa. Sei que seria de partir o coração de cantar algumas das minhas músicas no norueguês. Eu sentiria isso demais, eu acho.”

Foi difícil para você entrar no palco na frente da grande audiência?

“No começo, na verdade não foi fácil. Eu estava absolutamente aterrorizada antes de realizar grandes shows e ainda fico nervosa. Não acho que isso vai mudar. Mas eu sei que as pessoas são muito agradáveis quando vão ao meu show e dão muita energia positiva de volta para mim. As pessoas não nascem no palco, um dia todos devem aprender a falar na frente da classe cheia de pessoas. Hoje sinto que posso cantar na frente de 20 mil pessoas, mas ao mesmo tempo eu posso me sentir desconfortável ao encontrar apenas uma pessoa.”

Você começou a cantar em uma idade muito jovem. Como isso afetou sua juventude?

“Eu comecei a cantar e escrever músicas quando eu tinha nove anos. Mas eu absolutamente odiava minha voz naquela época. Parecia tão diferente das vozes de músicos que eu amava.”

Então, qual foi sua motivação, senão a sua voz? O que a fez continuar?

“Eu tenho apenas uma resposta chata – tudo. Da natureza, onde não sou ninguém, até os meus fãs. O comportamento das pessoas é muito inspirador. Todos nós somos tão imprevisíveis, estamos rindo mesmo quando não estamos felizes. Estamos agindo mesmo quando nós sabemos que é estranho. Penso que é difícil ser um ser humano.”

A natureza tem um lugar especial na sua música. Você vê isso como seu refúgio?

“A natureza é como as pessoas. Elas também são inspiradoras, mas também muito estranhas. Às vezes, fazemos escolhas estranhas. O que eu gosto da natureza é que eu vejo ela como uma mãe de todos nós. Ela traz vida. É perigosa e segura ao mesmo tempo e isso me inspira. É como estar no útero de uma mãe calma, onde nada irrita você. E eu tenho os mesmos sentimentos quando estou em algum lugar na floresta. Isso afeta minha música demais.”

A música e seu negócio nestes dias está cheio de digitalização e redes sociais. Como você lida com isso? Você parou o Snapchat, por exemplo.

“Se eu não fosse uma artista, provavelmente não usaria nenhuma das redes sociais. Mas eu gosto do Instagram porque se trata de imagens e é bom se comunicar visualmente. Mas as redes sociais são um tipo de mundo diferente e eu prefiro viver o nosso. É ótimo ter a chance de conversar com meus fãs e contar algo ao mundo, mas eu prefiro viver na vida normal. Na vida digital, muitas vezes esquecemos que somos pessoas. Estamos agindo de forma estranha, agressiva e anônima.”

No verão, você está viajando de um festival para outro. Você prefere o palco maior ou lugares mais íntimos?

“Eu estou acostumada a locais menores e mais íntimos. Mas eu gosto de mudanças. Adoro o inverno e não gosto de clima quente, mas é bom alternar. É bom fazer mudanças, então eu aprendi a apreciar festivais também. Eu gosto de fazer alguns shows maiores, mas depois disso estou sempre ansiosa por algo menor.”

Que mensagem você quer dar pela sua música?

“Tenho uma impressão de que estou em uma missão e tenho muitas coisas a dizer. Quero lembrar as pessoas que não estamos tão solitárias como pensamos. As pessoas hoje estão sempre em seus telefones e muitas vezes são solitárias, não estão se encontrando com amigos como eu costumava fazer quando criança. As pessoas devem saber e devem ter a oportunidade de descobrir sua missão na sociedade. Eu acho que alguns tons e vibrações positivas podem encorajar as pessoas a pensarem sobre si mesmas. É muito saudável e no final, nos faz felizes. Pode ser alcançado mesmo com músicas tristes. É importante que as pessoas sintam tristeza porque então elas têm menos medo dela. É muito mais fácil ficar triste quando você está apreciando a felicidade. E a música pode explicar até emoções inexplicáveis.”

Tradução: Brenda Dassa – Equipe PABR

Translation from Slovak language to english: toudy – Warriors & Weirdos Forum

Página do Facebook disse algumas mentiras e AURORA rebateu Postado por: Carlos Alexandre Souza Eduardo às 14:05

Uma página do Facebook chamada “Memes de Aurora” fez um post distorcendo um posicionamento que AURORA fez sobre Arina Grande quando reagiu a sua música “Side To Side”, confira:

A página Memes de Aurora fez um post dizendo que AURORA odeia Ariana Grande, que acha a música “Side To Side” genérica e básica, e também afirmou que AURORA disse “ter que limpar os ouvidos por 2 (dois) meses para que consiga esquecer o que eles chamam de música”.

AURORA viu a inverdade que a página estava propagando e rebateu:

“Memes de Aurora eu estou muito desapontada por você por tentar espalhar rumores. É desrespeitoso, e eu não acho que isso conta como um apoio à mim e ao que eu faço. Mesmo que fosse para ser humorístico, a internet não é um lugar onde todo mundo entende isso. E agora estou tendo comentários ruins de pessoas porque você está espalhando isso em meu nome.

Já basta suficiente nesse mundo que tenta deixar as mulheres para baixo, e eu não acho que outras mulheres deveriam ser parte disso. Nós devemos sempre – e apenas apoiar umas às outras. Mesmo se todas somos diferentes – como deveríamos ser. Como nós absolutamente devemos ser.

É engraçado ver como as pessoas tentam acabar com uma mulher tentando defender outra. Eu espero que meus queridos Warriors e weirdos não façam isso, mesmo de outros artistas digam algo ruim sobre mim. Porque nós não vamos espalhar ódio e raiva desse jeito. Porque não precisamos disso. E AGORA não mandem ódio para a página também, isso não deixa as coisas melhores. 😌

Normalmente eu não me importo sobre essas coisas, mas você não pode ser um Warrior e tentar espalhar ódio, isso é contra tudo o que nós defendemos 💛
Além disso tudo – um grande abraço para todos vocês, tenham um bom dia ❤ haha!”

Post original que a AURORA fez:

CONCURSO CULTURAL: All My Demons Tour Postado por: Carlos Alexandre Souza Eduardo às 00:33

Recentemente nós em parceria com a W+ sorteamos 1 (um) par de ingressos para o show da AURORA no Rio de Janeiro. Mas agora chegou a vez dos fãs de São Paulo terem a chance de concorrer a um par de ingressos para a All My Demons Tour, no dia 21 de Outubro no Tropical Butantã, São Paulo.

Para isso, criamos um concurso cultural, no qual os concorrentes do prêmio (os ingressos) devem criar um clipe para a faixa “Animal Soul”. Nós remasterizamos o áudio da performance ao vivo para que vocês possam baixar e utilizar em seus vídeos.

FAÇA O DOWNLOAD AQUI

Vamos ao regulamento:

  • O participante deve curtir a página do Facebook da W+ Entertainment
  • Ele também deve seguir o Portal AURORA Brasil no Instagram e Twitter (@PortalAURORAbr).
  • A escolha do vencedor será através de uma votação entre os membros da equipe PABR, onde será avaliado o roteiro, fotografia, locação, edição atuação do participante no vídeo.
  • O vídeo deve ser enviado para AuroraMusicBrasil@gmail.com, e o prazo para a entrega expira em 27/08/2017 (Domingo, 27 de Agosto), qualquer vídeo enviado após essa data será automaticamente descartado da avaliação.
  • Quando o participante enviar o vídeo pronto, o assunto do e-mail deve ser “Animal Soul – [+ nome do concorrente]”, EX.: Animal Soul – Alexandre Souza.
  • No ato do envio, o e-mail deve conter o seguinte texto:

“Eu, [NOME COMPLETO DO(S) PARTICIPANTE(S)], autorizo o uso da minha imagem e nome, ao Portal AURORA Brasil para a realização do concurso cultural All My Demons Tour”

  • Caso o participante deixe de cumprir qualquer ponto deste regulamento, ele será automaticamente desclassificado.
  • O resultado da atividade sairá dentro de 3 a 5 dias após o término do prazo de envio dos vídeos, além de ganhar o par de ingressos, o vídeo do vencedor será publicado no canal do YouTube do Portal AURORA Brasil.

Possíveis dúvidas:

Eu não tenho Twitter/Instagram, como posso concorrer?

Bom, o Portal AURORA Brasil visa o crescimento da AURORA aqui no Brasil, e nossa maior ferramenta são nossas redes sociais, portanto o participante que quiser concorrer não pode deixar de seguir essa regra, assim como qualquer outra do regulamento.

Sou bom com câmera/edição de vídeo, porém sou muito tímido na frente das lentes, posso chamar uma pessoa para atuar no vídeo em meu lugar?

Sim, não queremos causar qualquer tipo de desconforto ao concorrente, então permitimos a participação de terceiros no vídeo, desde que o nome completo de todas as pessoas que apareçam no vídeo estejam no texto sobre a autorização de uso de imagem que será enviada para nosso e-mail junto ao vídeo.

Posso utilizar sons de animais/natureza para ajudar a criar um ambiente e história para o vídeo?

Sim, você pode utilizar sonoplastias, mas certifique – se de que elas não ferem direitos autorais pertencentes à terceiros. Você pode prolongar o seu vídeo para criar uma história, porém seu vídeo não pode ultrapassar os 7 minutos, se ainda estiver dentro do prazo de entrega, o participante será alertado para que possa re-trabalhar o vídeo e nos enviar.

O prêmio inclui despesas pagas?

Não, o prêmio inclui somente o par de ingressos. Despesas de transporte, estadia , etc. são por conta do premiado.

Ainda tem alguma dúvida? Envia pra gente no e-mail AuroraMusicBrasil@gmail.com.

Update: Concurso já encerrado.

TRADUÇÃO: Interview Magazine Postado por: Carlos Alexandre Souza Eduardo às 21:58

Essa semana foi liberada a entrevista que AURORA concedeu algumas semanas atrás à conceituada revista Interview. A entrevista foi publicada no site da revista e você pode conferir ela traduzida abaixo:


AURORA EM TØNSBERG, NORUEGA NO FESTIVAL SLOTTSFJELL, JULHO DE 2017.

FOTO: VICTORIA STEVENS

NOME COMPLETO: Aurora Aksnes

IDADE: 21

CIDADE NATAL: Os, Noruega. Eu vou para casa bastante porque é muito bom e meus pais, isso os deixa bem felizes, posso dizer, quando vou para casa visitá-los.

LOCALIZAÇÃO: Bergen, Noruega. Acabei de comprar um apartamento, é bem legal, e me mudei. Estou esperando minha poltrona. A casa dos meus pais é quase uma hora longe de Bergen e eu morava na floresta. Cresci meio longe de tudo e agora é tão bom porque eu moro no meio da cidade, perto do maior parque, claro, então eu tenho as árvores comigo. Mas você pode andar por dois minutos e comprar comida! (risos) Não tenho que planejar tudo; eu tinha que pedalar por 40 minutos onde eu morava se quisesse comprar leite para fazer algumas panquecas ou algo assim.

UMA INTRODUÇÃO: Você pode já conhecer AURORA pelo seu álbum de estreia de 2016 “All My Demons Greeting Me As A Friend” (Petroleum Records). Em suma, ela é uma poética autora de art-pop, uma performer deslumbrante e uma artista curiosa. Ela está escrevendo seu segundo álbum atualmente.

SONHAR COM OLHOS ABERTOS: Amo todo o tipo de natureza. Acho que todo mundo ama natureza, mas alguns de nós não experimentaram no tempo certo de nossas vidas, onde pode apreciar de verdade, o qual é muito jovem ou um pouco mais velho. Tem uma fase em nossas vidas em que natureza não importa tanto porque temos tanto dentro de nós. Eu caço todo tipo de coisa e escapo de todo tipo de coisa quando vou para as montanhas ou floresta ou mar. Estes são três lugares muito importantes onde eu busco algo mais simples. É uma forma mais fácil de felicidade, acho, quando você alcança o topo de uma montanha, você não fez realmente nada, só andou em um cenário bonito. É importante ter um lugar seguro para perseguir, ou o oceano, as montanhas ou a floresta.

Gostaria de dizer que eu faço música na montanha na minha cabeça, mas na verdade eu não faço porque esse é o lugar onde eu não penso em nada. Eu só existo e não exijo nada de mim mesma, nem mesmo ideias, nem mesmo desejos, nem nada. Eu só sou e é um sentimento tão bom. Estou meio acordada, mas também sonhando. Esquecemos de sonhar quando estamos acordados. A maioria de nós só sonha quando dorme e eu acho que é algo perigoso, mas você sonha quando está acordado e está em montanhas e na floresta. Isso se manifesta depois na música e quando volto para casa aí eu fico inspirada, é uma reação que vem um pouco mais tarde, mas não no momento, porque é uma coisa sagrada.

RECARREGAR: Ano passado nós fizemos tantos shows. Tocamos aqui [no Slottsfjell] a dois anos atrás, então é bom estar de volta e é muito legal esse ano porque temos mais tempo. Acho que é um jeito saudável de se apresentar quando tem menos performances, não todo dia como ano passado, porque você pode cuidar mais de cada apresentação, o que é bem importante. Se deve cuidar bastante de todo show, porque são pessoas diferentes e uma plateia diferente e tem que ser o melhor show de todos todas as vezes.

UMA COLEÇÃO DE INSETOS CRESCENTE: Eu tenho um gafanhoto e é bem raro porque eu não vejo muito eles em casa. Mas encontrei um, já estava morto, como eles tem que estar para eu pegá-los. E eu tenho um monte de abelhões, mas tem que se checar se estão acordados primeiro. Eu boto um pouco de água com açúcar, porque mel é muito grosso para eles comerem. Algumas vezes as abelhas desmaiam porquê não têm comida suficiente no sistema, então é bem importante primeiro coloco um pouco de água com açúcar perto delas e aí esperar algumas horas e ver se acordam e comem. Se não, então estão mortas e pode botar numa garrafa de vidro.

FAMÍLIA, CIDRA E ESCUTAR: Minhas irmãs mais velhas, eu tenho duas e elas são muito diferentes. Miranda, ela é maquiadora e está aqui hoje em algum lugar, ela realmente ama música, ouve o tempo todo. O jeito que ela escuta música é diferente da minha outra irmã, Viktoria, que se tem algo que ela gosta, aí ela chora ou dança, ela sente. Eu amo tocar para ambas, mas eu sei que elas também me amam muito e tudo o que eu faço. (risos) É um bom aumento de confiança quando eu toco música para elas. É sempre a minha família para quem eu toco primeiro. Temos vinho tinto e uma cidra de maçã, uma cidra de maçã norueguesa é muito bom, é um pouco mais forte que as outras, como um vinho, e não é doce demais. É só hmmm. Queria poder te trazer um pouco, é brilhante, te deixa bem calmo, sem ressaca. Bebemos isso, temos bastante, e aí ouvimos todas as músicas novas que eu fiz e só as sentimos.

A INFLUÊNCIA NÓRDICA: Eu acho que o que é bem comercial na Noruega pode ser bem alternativo nos Estados Unidos, só porque o pop de mais fácil entendimento do mundo vem de lá. Depende do quão fundo você vai na música, se você consegue sentir a diferença entre dream-pop e art-pop então está fundo nisso, mas algumas pessoas são tipo “okay, tem música pop e rock e country” e tudo bem também porque música é só música. Mas meu primeiro álbum é definitivamente um pouco escandinavo, porque tem bastante sintetizador e é frio, mas também quente, e alternativo, mas meio comercial também. Acho que é isso que pop escandinavo é. E também a minha voz, eu sei que é meio afiada, não é muito quente. Fica bem na sua cara, soa tipo como gelo.

O QUE EM SEGUIDA: Meu segundo álbum vai ser um pouco diferente. Eu quero fazer um novo mundo. Parece diferente para cada pessoa, depende de que tipo de olhar você tem. Tenho alguns títulos como “Queendom” (um trocadilho com kingdom, reino, e queen, rainha), sobre todas as pessoas no queendom, “reino”, o que estão fazendo e o que sonham. É um novo mundo que estou ansiosa para compartilhar.

INSPIRAÇÃO ATUAL: As coisas mais inspiradoras agora são olhos e rosas, é o que foco principalmente nesses dias. Descobri uma ideia chamada opia, que é a estranha sensação de olhar nos olhos de alguém, você sente que está espiando através de um buraco de fechadura que talvez se abra e se torne um grande mundo, sem saber se está olhando dentro de um mundo ou para fora dele. É como se estivesse olhando em um buraco de fechadura e não consegue entender de que lado da porta está. Quero escrever uma música sobre opia e será só sobre essa coisa, olhar em um buraco de fechadura e não saber se indo dentro de algo ou fora.

ALGUMAS PALAVRAS FINAIS: É muito divertido produzir músicas. É a parte mais divertida, porque você pode mudar o jeito que as pessoas ouvem isso, pode fazê-las rir para uma música muito triste, fazê-las dançar para a música mais triste, se só colocar os sons certos ali, ou ao contrário. É tão fascinante que uma canção pode ser triste, mas poder soar leve e feliz e o mais fundo que vai nisso mais você chora. (risos)

Matéria original AQUI.

Tradução: Jéssica Cardoso (Equipe PABR)

Portal Aurora Brasil